Avenida que vai ligar Ponte Estaiada de Hortolândia a bairro será asfaltada nos próximos dias

0
117

A obra do Corredor Metropolitano Noroeste, realizada em Hortolândia pela EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos) e acompanhada pela Prefeitura, recebe, nesta semana, base para asfalto no trecho que segue a partir da Ponte Estaiada, em direção ao Jardim Novo Ângulo. O próximo passo será a pavimentação do trecho.

A obra do traçado do Corredor seguirá, ainda, até a SP-101.

O serviço em andamento, que prioriza o acesso e pavimentação da Ponte, colocará em operação a estrutura construída pela Administração Municipal, unindo as regiões Leste (Jd. Novo Ângulo) e Oeste (Jd. Amanda) da cidade.

No futuro, quando todo o traçado estiver concluído, a Ponte Estaiada fará parte do corredor expresso de ônibus, que seguirá desde Americana até Campinas.

Além da implantação da base do pavimento, o Estado realiza a construção de guias e sarjetas no mesmo trecho, e mantém uma outra frente de trabalho, alguns metros adiante.

“O novo viário que fica logo após a Ponte Estaiada recebe guias, sarjetas e a base que antecede o asfalto. Já alguns metros adiante, estão em implantação tubos de drenagem e, em breve, também terá a base. Isso agiliza a obra”, explicou o engenheiro de campo da empresa responsável pela obra, Guilherme Braga de Oliveira.

Conforme explica o engenheiro, a pavimentação será o próximo passo.

“Normalmente, fazemos este serviço em distâncias mais longas. Por isso, vamos realizar a base neste traçado que vai até o Jd. Novo Ângulo para, então, asfaltar desde a Ponte Estaiada”, destacou Oliveira.

Outra ação em andamento é a montagem de estruturas metálicas, que servirão como cobertura para duas Estações de Transferência de Passageiros.

Em seguida, a EMTU fará a implantação do Corredor pelo traçado que segue da avenida Antônio da Costa Santos, no Jd. Nova América, passando pelo Parque Peron, até a SP-101.

O Estado investe R$ 58,2 milhões nas obras em Hortolândia, que incluem a interligação da avenida Olívio Franceschini com a ponte; o viário da ponte até a SP-101, com duas alças de acesso do Corredor à rodovia, nos sentidos Monte Mor e Campinas; duas estações de transferência nos bairros Peron e Rosolen; cinco estações de embarque e desembarque; além de um CCO (Centro de Controle Operacional), na avenida Olívio Franceschini; e de um viaduto na SP-101, na altura do Jardim Rosolen.

Posteriormente, a Artesp (Agência de Transporte do Estado de São Paulo) fará um dispositivo de acesso na SP-101, unido definitivamente o Corredor à rodovia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário
Por favor, digite seu nome