Homem de 27 anos é preso suspeito de assassinar duas técnicas de enfermagem

1
173
Maria Sivoneide e Alessandra. Foto: Reprodução de TV.

O homem de 27 anos suspeito de matar duas técnicas de enfermagem em uma estrada rural de Artur Nogueira (SP), na quinta-feira (13), tratou dependência em drogas por dois meses e era considerado ‘muito amoroso’ por funcionários da casa de repouso onde trabalhou com uma das vítimas, em Conchal (SP). Mateus Noronha foi preso por feminicídio.

Mateus Noronha, o suspeito. Foto: Reprodução de TV.

Os corpos Alessandra Francisca de Paula Barbosa, 41 anos, e Maria Sivoneide Oliveira de Morais, de 44 anos, já deixaram o Instituto Médico Legal de Americana (IML).

Alessandra será velada a partir das 16h, e enterrada no sábado, às 10h, em Aguaí. O velório de Maria será ás 16h, em Conchal. O enterro está previsto para o sábado (14), às 10h30.

Trabalho e afastamento

Alessandra conheceu Noronha na casa de repouso. Cuidador de idosos, ele era considerado um bom funcionário e nunca teve desentendimentos.

“O Mateus era um cuidador muito amoroso. Não dá para acreditar no que aconteceu”, afirmou a cozinheira do local Rovânia Garcia.

Ele trabalhou na casa de repouso por quase um ano e chegou a ficar afastado dois meses para se tratar da dependência de drogas.

“Ele me ligou um dia falando que estava indo se internar, porque teve uma recaída. Depois da internação de dois meses ele retornou ao trabalho”, disse a dona da casa de repouso, Rosa Lúcia dos Reis.

Ele foi demitido há um mês e, segundo a dona, por motivos financeiros. “Não foi [demitido por envolvimento com drogas] porque aqui dentro ele sempre se comportou bem”, disse.

Alessandra ainda fazia bicos no abrigo e na quinta saiu mais cedo porque estava com sintomas de virose.

“A gente está sem chão, porque jamais a gente pensaria numa coisa dessas”, afirmou Rosa.

O crime

Os corpos das vítimas, que moravam em Conchal, foram encontrados em Artur Nogueira, junto com o celular de uma delas e uma peça de carro. O veículo foi encontrado em um canavial de Mogi-Mirim (SP).

Elas foram espancadas e mortas pelo ex-colega de trabalho de uma delas, Mateus Noronha, de 27 anos, que foi preso na madrugada de sexta só de cueca às margens de uma estrada de Mogi- Mirim.

No início ele disse à Guarda Municipal que havia sido assaltado, mas depois confessou o crime e alegou ter tido um surto psicótico após o uso de cocaína.

Noronha havia pedido carona para as vítimas na noite de quinta para ir até Artur Nogueira. Elas trabalhavam na Santa Casa de Mogi-Mirim e saiam para trabalhar. Além dos espancamentos, Noronha atropelou os corpos após o crime.

As informações são do G1.

1 COMENTÁRIO

  1. Porém hoje domingo, 16 de dezembro, o acusado de matar as duas ex-colegas de trabalho fugiu da cadeia com a ajuda de um companheiro de cela e violou os corpos com a ajuda de dois homens. Os três acorrentaram os cadáveres sob um poste, enfiaram drogas na boca de cada uma delas e ainda as prensaram com o carro de um deles. Depois fugiram em disparada e o suspeito comemora mais um crime brutal! As famílias das técnicas de enfermagem ficaram apavoradas e chocadas e pedem justiça!

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário
Por favor, digite seu nome