O que o mercado espera de um profissional de criação publicitária?

0
31

Na publicidade, a área de criação é a que mais chama a atenção dos estudantes. Embora muitas pessoas relacionem a profissão ao glamour que o mercado publicitário transmite, existe uma série de atributos que esse profissional precisa ter para ingressar nesse mercado tão competitivo.

Considerando que os clientes estão mais exigentes e focados em resultados a curto prazo, as expectativas em torno dos serviços oferecidos aumentam a cada dia. E se a criatividade é um fator crucial para que uma campanha cumpra com os objetivos esperados, a visão estratégica e a capacidade analítica dos criativos se mostram ainda mais importantes.

Em uma agência, o setor criativo acumula funções que vão desde a criação de textos à elaboração de slogans, ilustrações e demais recursos gráficos. Por se tratar de um setor onde tudo muda muito rápido e o tempo todo, se manter atualizado e acompanhar tais mudanças é fundamental para oferecer novas soluções e ações que surpreendam os clientes.

Como falado anteriormente, a criatividade permanece como fator crucial para conquistar um lugar ao sol. Isso significa que todo publicitário já nasce criativo? Não. Pensar fora da caixa tem muito mais a ver com a busca incessante por informações e referências que tornem a busca pela ideia perfeita mais simples.

Claro que nada disso acontece sem um fator primordial: a curiosidade. Essa característica é o que vai permitir que o profissional busque por diversas soluções para o mesmo problema e que entenda a fundo o perfil do cliente para criar ações que façam sentido para ele. Nesse caso, é essencial se manter atualizado não só sobre a sua área de atuação, mas entender profundamente sobre o negócio dos clientes.

Por mais que o profissional seja criativo e esteja atento a tudo que acontece em sua volta, de nada adianta se ele não dominar profundamente as ferramentas necessárias para a execução do seu trabalho. Aqui, falamos de softwares de edição de imagens utilizados para a confecção de outdoors, panfletos, posts em redes sociais. Também existem as ferramentas relacionadas à arte final, que são os softwares para edição de vídeo.

E se a busca por informações trouxe uma série de novas ideias e referências, é a organização que vai definir como aproveitá-las da melhor forma possível. Isso porque colaboradores mais organizados tendem a consumir menos tempo em tarefas relativamente simples. E quando se trata de deadlines curtos, é preciso ficar atento às melhores práticas para atender aos prazos estabelecidos. Nesse caso, o ideal é recorrer a técnicas que otimizem o tempo e melhorem a produtividade. Um exemplo é o GTD (Getting Things Done), método que facilita a organização de diversas tarefas a partir de cinco passos:

Captura: É o ato de passar todas as ideias que estão na mente para o papel, ou em qualquer lugar que seja seguro para armazená-las.

Organização: Aqui, é hora de listar todas as ideias de modo que consiga acessá-las sempre que quiser.

Reflexão: Trata-se da revisão de todas as informações expostas e atualizá-las caso necessário.

Engajamento: Por último, é o momento de dar significado a todas as ideias listadas. Isto é, ter o controle e entender exatamente o que deve ser feito e o que é prioridade naquele momento.

Ficou claro que um profissional de criação precisa dominar uma série de atributos para ocupar a vagas disponíveis no mercado. Se manter atualizado, estar ciente do que o cliente precisa e se organizar para dar conta de todas as demandas são fatores fundamentais. Para acessar outros conteúdos relacionados ao mercado publicitário, acesse www.iclips.com.br

As informações são de responsabilidade da Dino

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário
Por favor, digite seu nome