Turismo | A história da Ferrovia Transandina, hoje usada parcialmente para turismo no Chile

No mesmo 1872 em que foi criada no Brasil a Companhia Mogiana de Estradas de Ferro e num período de pleno desenvolvimento econômico no país, Chile e Argentina davam os primeiros passos para a implantação de uma ferrovia que ligaria os dois países, cruzando a cordilheira dos Andes.

A revolucionária ideia para os padrões sul-americanos saiu do papel, mas apenas 38 anos depois. E durou somente 74 anos, com um intervalo de uma década devido à queda de uma barragem que inviabilizou o tráfego de trens.

Essa história começou a ser levada a sério quando o Congresso da Argentina aprovou a construção da chamada Ferrocarril Transandino, que tinha como objetivo ligar o país ao vizinho Chile, encurtando as distâncias e favorecendo o transporte de passageiros e de cargas entre os dois países.

Mas, desde o início, a ligação entre Mendoza (Argentina) e Santa Rosa de Los Andes (Chile) enfrentou obstáculos burocráticos, financeiros e climáticos.

Ela surgiu num período em que as ferrovias representavam o ápice tecnológico e abriam para o mundo as portas do progresso. No Brasil, o período atraiu investimentos externos, tirou o país da estagnação econômica e impulsionou seu desenvolvimento na segunda metade do século 19, como defende o brasilianista William Summerhill.

No Chile, a concessão para a construção foi dada somente dois anos após a aprovação argentina. As obras, porém, só começaram na década seguinte nos dois países: em 1887 na Argentina e, em 1889, no Chile.

Entre os motivos para o atraso esteve a dificuldade financeira para colocar o projeto em prática. Muitos túneis e obras nos trilhos foram necessários, já que era preciso romper as dificuldades impostas pela cordilheira.

A altitude de Mendoza em relação ao nível do mar é de 767 m, enquanto o ponto final dos 248 quilômetros de ferrovia, em Santa Rosa de Los Andes, é de 814 m. Só que nesse intervalo há locais de até 3.200 m de altitude, como no túnel Cumbre, na fronteira entre os países – entre Las Cuevas e Los Caracoles.

A construção da Transandina, inaugurada em 1910, foi considerada um épico, devido às dificuldades impostas pela cordilheira e aos já citados problemas para financiamento da obra. O ano de inauguração, aliás, foi emblemático para os dois países, pois 1910 marcou o primeiro centenário do início do processo de independência de Chile e Argentina –que só se concretizaram anos depois.

O cenário era deslumbrante. Após a partida sentido Chile-Argentina, a ferrovia subia um trecho perto do rio Aconcágua, cruzava o túnel que só terminava na Argentina e margeava outros rios até chegar a Mendoza.

PROBLEMAS

Logo após o início da operação começaram a surgir obstáculos, especialmente pelo fato de o serviço ser explorado por duas empresas, uma de cada país. Embora o idioma fosse o mesmo, elas não necessariamente falavam a mesma língua comercial.

Na década seguinte, conforme documentos da Biblioteca Nacional do Chile, começou a administração unificada da ferrovia, que durou até 1932.

Os anos iniciais foram considerados promissores. Ainda de acordo com dados da Biblioteca Nacional, a ferrovia teve média anual de 100 mil passageiros e 25 mil toneladas de carga transportadas.

Muito? A média de 273 por dia para o trecho é baixa, se comparada à Mogiana no mesmo período. Em 1913, a empresa ferroviária que operou em territórios paulista e mineiro transportou 2,9 milhões de passageiros, segundo documentos da época.

Embora a comparação seja entre um trecho ferroviário (Transandina) e toda a malha de uma companhia (Mogiana), os números dão uma noção de que a rota internacional não tinha grande sustentabilidade econômica. Principalmente se for considerado que a Mogiana vivia um crônico deficit financeiro que resultou em seu desaparecimento para ser uma das formadoras da Fepasa (Ferrovias Paulistas S.A.), em 1971.

E 100 mil passageiros por ano são transportados atualmente na ferrovia turística entre Campinas e Jaguariúna, que opera apenas aos sábados e domingos, segundo a ABPF (Associação Brasileira de Preservação Ferroviária).

CONFLITOS E DECADÊNCIA

Se a quebra da Bolsa de Nova York, em 1929, fez com que os cafeicultores brasileiros fossem à bancarrota levando companhias ferroviárias junto, a chamada Grande Depressão fez minguar o total de passageiros e mercadorias na Transandina.

O pior período de recessão econômica do século passado durou toda a década de 1930 e, se já não fosse suficiente para prejudicar a ferrovia internacional, uma queda de barragem do lado argentino em 1934 fez com que a Transandina tivesse o tráfego de trens interrompido por dez anos.

Ela até voltou, com locomotivas elétricas, mas os mesmos problemas que a ameaçaram desde o início (alto custo de manutenção, tremores de terra especialmente o Chile e deslizamentos de neve) também voltaram.

A exemplo do que ocorreu no Brasil com as ferrovias, o fluxo de passageiros passou a ser cada vez menor e nem mesmo a implantação das locomotivas a diesel, em 1964 –mais rápidas–, impediu que o serviço fosse fechado em 1979.

Para cargas, porém, ainda conseguiu operar por mais cinco anos, até encerrar definitivamente as atividades. O motivo? Uma avalanche do lado chileno destruiu parte da ferrovia.

Os últimos anos da ferrovia ocorreram num momento em que as relações diplomáticas entre os dois países estavam estremecidas. Quase foram a um conflito armado no fim dos anos 70 devido ao Canal de Beagle, região que divide os países no extremo-sul, após a Argentina rechaçar a área definida para ela por meio de uma arbitragem internacional. Foi preciso que o papa João Paulo 2º (1920-2005) mediasse a disputa.

Depois, em 1982, durante a Guerra das Malvinas, entre Argentina e Inglaterra, o Chile permitiu que os europeus instalassem uma estação de radares no sul do país para vigiar a movimentação argentina. O fato gerou novo conflito diplomático entre os vizinhos, ambos sob regime ditatorial à época.

Hoje, na região de Mendoza, restam somente os trilhos, que se tornaram atrativo turístico. O Chile explora parte dos trilhos, mas nada que se compare à aventura que foi romper os Andes com uma ferrovia no início do século passado.

As informações são do Bem Paraná.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário
Por favor, digite seu nome